Se tem uma coisa que o consumidor brasileiro não faz a mínima ideia é de como calcular os juros do cartão de crédito, mas saiba que isso é muito importante, afinal, você precisa ter noção do quanto de taxa está pagando.

Basicamente, as taxas de juros do cartão de crédito são cobradas pelos emissores quando pagamos apenas o valor mínimo da fatura, que é o famoso juros do rotativo. Normalmente, o pagamento de apenas uma parte da fatura fica em 15% do total gasto no mês.

Na prática, esse é um serviço oferecido pelas empresas de cartões de crédito e serve para ajudar quem ficou com o orçamento do mês apertado e não terá dinheiro para pagar a fatura integral. Assim, podemos considerar o rotativo do cartão como um financiamento da dívida.

Mas, embora seja uma ótima solução de momento, não é nada bom para as suas finanças, pois adiando o pagamento total da fatura para o mês seguinte, a conta tende a virar uma bola de neve… O principal motivo para isso são as altas taxas cobradas, que podem chegar a mais de 350% ao ano, ou seja, em mais de 20% ao mês.

Ficou espantado? Pois saiba que é de se preocupar mesmo, afinal, as taxas do crédito rotativo são uma das mais altas praticadas no mundo, de acordo com um levantamento da Proteste. Só para você ter uma ideia real, nos Estados Unidos os juros anuais do rotativo não passam de 30%, que é quase o que pagamos ao mês…

Então, pagar o mínimo da fatura é um problema para o seu bolso e consequentemente para a sua vida financeira. Sendo assim, é preciso saber como se calcula os juros do cartão de crédito e é justamente isso que vamos lhe ensinar no tema de hoje! Vamos nessa?!

Passo a passo de como calcular os juros do cartão de crédito

Por mais que as taxas de juros do crédito rotativo tenham diminuindo ao longo dos últimos anos, ainda assim é um valor significativo e que pode fazer a diferença em nosso orçamento. 

Assim, se você teve que pagar o valor mínimo da sua fatura, é hora de aprender como se calcula os juros do cartão de crédito!

Passo 1: Encontre o valor integral da fatura que precisou pagar o mínimo. Por exemplo, R$ 650,00.

Passo 2: Ache na sua fatura qual é o valor mínimo permitido para o pagamento. Por exemplo, R$97,50, considerando que esse percentual seja de 15%.

Passo 3: Calcule qual é o saldo do rotativo do seu cartão da seguinte forma: valor integral da fatura do mês – valor mínimo. Por exemplo, R$650,00 – R$97,50 = R$552,50.

Passo 4: Encontre na sua fatura qual é a taxa de juros cobrada para o rotativo do seu cartão. Se não encontrar, ligue para o emissor do cartão e peça essa informação. Vamos supor para os seguintes cálculos que os juros do rotativo é de 13,75%, tirando a porcentagem temos 0,1374.

Passo 5: Sabendo o percentual que é cobrado toda vez que você paga o mínimo da sua fatura, calcule os juros cobrados da seguinte forma: saldo do rotativo x taxa de juros. Por exemplo, R$552,50 x 0,1375 = R$75,96.

Passo 6: É hora de descobrir quanto você ficará devendo na próxima fatura, que pode ser feito através do seguinte cálculo: saldo do rotativo do cartão + juros do rotativo. Por exemplo, R$552,50 + R$75,96 = R$628,46.

O que podemos concluir de todos esses cálculos? Bom, temos as seguintes observações: 

  • Somente por pagar o mínimo da fatura, foi cobrado um juros de R$75,96, ou seja, quase R$100,00 a menos no seu orçamento do mês que vem.
  • O valor integral da sua fatura era de R$650,00 no mês um e no mês dois será de R$628,46, o que significa que não vale a pena pagar o mínimo, pois além de não diminuir quase nada do valor pago, ainda não compensa em questão de juros, pois se somarmos R$ R$628,46 + R$75,96, dá R$704,42, bem mais dos que os R$650,00 iniciais.

E sabe o que é pior ainda? Além dos R$628,46 que você empurrou para o mês seguinte, você ainda terá todo o valor da nova fatura para pagar…

Então, é fundamental que você entenda que o crédito rotativo é uma verdadeira bomba em suas finanças e só agrava o problema para o mês seguinte ao invés de resolvê-lo.

Sem contar que por pagar apenas o mínimo, outras pequenas taxas serão embutidas na fatura do próximo mês, como Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), juros por atraso, enfim.

Conclusão

Então, agora que você já sabe como calcular os juros do cartão de crédito, ainda tem dúvidas sobre o problema que isso é? 

Bom, esperamos que você tenha percebido que a falta de dinheiro para pagar o valor integral da fatura não é nada bom e é justamente por isso que você precisa ser organizado financeiramente, para que isso não aconteça com frequência. 

Qual a solução então? Bom, pensando em questão de juros, o parcelamento da fatura é melhor para o seu bolso.

Isso porque, geralmente, as taxas cobradas para o parcelamento da fatura do cartão de crédito ficam entre 0,99% e 9,99% ao mês, ou seja, bem menores do que o crédito do rotativo.

E se houver a possibilidade de solicitar um empréstimo consignado, melhor ainda, pois normalmente as taxas de juros são ainda menores. 

Mas, a regrinha de ouro é manter suas finanças sob controle, gastando apenas o necessário no cartão de crédito e acompanhando o limite de gastos, sendo o ideal o valor da fatura nunca passar de 30% da sua renda mensal!