Independentemente de ser na renda fixa ou variável, pode contar com uma empresa especialista no assunto para administrar seu dinheiro é fundamental. Contudo, embora a grande maioria dos investidores necessitem, muitos ainda não fazem a mínima ideia de como funciona uma corretora de valores

É a corretora a empresa responsável por lhe guiar nessa jornada de investir bem e com o menor risco possível, sempre visando a melhor rentabilidade e claro, as melhores opções de investimentos para compor sua carteira.

Então, se você quer aprender mais sobre como funciona uma corretora na prática, continue conosco que vamos te explicar todo o processo básico neste guia especial do Portal Finança. Vamos conferir?!

Afinal, o que é e como funciona uma corretora de valores?

Uma corretora nada mais é do que uma instituição financeira voltada para o mundo dos investimentos. Entretanto, não confunda corretora de valores com banco, pois são duas instituições completamente diferentes.

Por mais que seja necessário abrir uma conta em uma corretora, semelhante ao que acontece no banco, ainda assim você não poderá fazer saques do seu dinheiro ou ter acesso a outros serviços e produtos bancários, como cartão de crédito, visto que o objetivo é apenas investir o seu dinheiro.

Sabendo disso, o funcionamento de uma corretora de valores é muito simples:

  • Você escolhe e abre uma conta em uma corretora de valores de sua preferência
  • Tem acesso à consultoria ou assessoria para realizar seus investimentos
  • A corretora gerencia sua carteira de ativos (escolhe onde e quando negociar em determinadas aplicações)
  • Você pode pagar certa taxa pelo serviço prestado, normalmente conhecido como taxa de corretagem, dependendo do tipo de aplicação

Para que servem as corretoras de valores?

Ao contrário do que muitos pensam, as corretoras não são indispensáveis apenas para quem investe na renda variável, visto que algumas aplicações da renda fixa necessitam que o investidor abra uma conta em uma corretora de valores.

Basicamente, você investidor precisará contar com o suporte de uma corretora nos seguintes tipos de investimentos:

  • Ações na bolsa de valores
  • Fundos de Investimento
  • Títulos Públicos, como CDB’s, por exemplo

Isso porque a negociação nesse tipo de ativo precisa ser guiada por uma corretora, pois será ela a instituição responsável por intermediar a compra e venda entre o investidor pessoa física com as instituições financeiras que estão negociando o ativo, como a B3, no caso do mercado de ações.

O que as corretoras oferecem a seus clientes?

Em uma corretora de valores, o investidor tem acesso a uma variedade maior de investimentos, inclusive, na maioria dos casos, com rentabilidades acima da média.

De modo geral, uma corretora é como um supermercado de investimentos, onde você irá escolher nas prateleiras o que quer levar…

Mas, além da negociação de títulos financeiros, as corretoras oferecem os seguintes serviços aos seus clientes:

  • Assessoria financeira
  • Execução de compra e venda de ativos
  • Promoção de oferta pública de ações

Tudo isso sempre levando em conta o perfil do investidor (faça o teste aqui e descubra qual é o seu perfil), as necessidades com aquele investimento e os objetivos de curto, médio e longo prazo.

Corretoras de valores são confiáveis?

Quando pensamos em deixar nosso dinheiro em posse de outros, sempre ficamos receosos e com medo, é um sentimento normal.

Entretanto, se você deseja investir em ações, títulos públicos ou fundos de investimento, saiba que é preciso confiar na sua corretora.

Com relação a essa insegurança, pode ficar tranquilo, pois as corretoras de valores do mercado precisam da autorização do Banco Central para funcionarem, ou seja, se ela está ativa então é sinal de que é confiável.

Além disso, as corretoras são fiscalizadas periodicamente pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o que lhe dá um respaldo a mais.

Então, na hora de escolher a melhor corretora de valores para você, recomendamos:

  • Conferir se a instituição tem cadastro regular no CVM (veja aqui)
  • Ver se a corretora é cadastrada no Banco Central do Brasil (veja aqui)
  • Entender quem tem a custódia daquela corretora (a Warren, por exemplo, tem como custodiante o Banco Santander)

Além disso, é importante pensar sobre:

  • Preço da taxa de corretagem e custódia (caso exista, visto que muitas hoje em dia isentam seus clientes das taxas – Veja aqui as corretoras com taxa zero)
  • Portfólio de produtos (tão importante pensar no custo é necessário pensar na gama de oportunidades que essa corretora irá oferecer, afinal, quanto mais opções, mais você poderá diversificar sua carteira de ativos)
  • Qualidade do atendimento (agilidade em responder seus clientes e disponibilidade de profissionais)
  • Ferramentas disponibilizadas (tipos de recursos oferecidos, como plataforma Home Broker, por exemplo, e se essa é compatível com seu dispositivo móvel)
  • Serviços prestados (como é feita a entrega dos relatórios, se há consultoria aos clientes, como são feitas as análises de desempenho e etc.)

Conclusão

Então, após essa leitura esperamos que você tenha entendido melhor como funciona uma corretora de valores, visto que é essencial compreender o processo antes de escolher aquela que irá administrar seu patrimônio na hora de investir!