Saber como evitar o endividamento é uma missão e tanto, especialmente para os brasileiros, que devido a pouca educação financeira adquirira do longo da vida, não sabem muito bem como administrar suas finanças pessoais, resultando em problemas financeiros frequentemente, ou seja, a grande maioria de nós “vive no vermelho”.

Segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em janeiro de 2021 chegamos ao percentual de 67% dos brasileiros com dívidas. Os principais motivos para isso são as contas em atraso com cartão de crédito, cheque especial, empréstimos (principalmente o pessoal que tem maiores juros), prestações de financiamentos de imóveis e veículos e claro, os famosos carnês.

Mas, você já se perguntou o porquê disso acontecer? Qual o motivo que leva as pessoas a não conseguirem arcar com suas despesas? Será que é realmente falta de dinheiro ou pouco planejamento financeiro? Bom, com o passar dos anos, o poder de consumo dos brasileiros aumentou, justamente pela facilidade de acesso ao crédito. O problema é que os novos consumidores não estavam preparados para lidar com essas demandas em seu orçamento, crescendo assim o número de endividados. 

Outro fator que estimula o poder de compra e o crédito fácil é o marketing agressivo, ou seja, as pessoas acabam consumindo mais, comprando produtos ou serviços que não são essenciais, tudo graças às propagandas. Contudo, você deve ter em mente que o salário não é elástico, continua o mesmo, e à medida que as prestações vão se acumulando, a renda disponível para pagar as despesas obrigatórias, vai ficando cada vez menor, reduzindo seu poder aquisitivo. 

Assim, fica cada vez mais difícil saber como evitar dívidas, pois a pessoa perde o controle de seu dinheiro, precisando recorrer a empréstimos para honrar seus compromissos, usar o limite do cheque especial ou até mesmo fazer compras parceladas no cartão. Isso significa que o consumidor cria novas dívidas novas para pagar as antigas. 

Então, é preciso parar enquanto há tempo, pois a tendência é só piorar a situação! Por isso, no tema de hoje mostraremos a você como evitar dívidas e gastos desnecessários, para que não entre em um processo de endividamento difícil de reverter, que pode resultar em inadimplência! Vamos lá?!

Índice de conteúdo:

Afinal, como evitar o endividamento?
Tipos de pessoas endividadas
Quais são os motivos que levam as pessoas a criarem dívidas?
Dicas de ouro de como evitar o endividamento
Conclusão

Afinal, como evitar o endividamento?

Com certeza em algum momento da sua vida você já se perguntou sobre como acabar com as dívidas e sair do vermelho, não é mesmo? Mas, o pior não é isso e sim a provável resposta que você se deu! A grande maioria das pessoas pensa que o motivo do endividamento é a falta de dinheiro, mas saiba que isso não é verdade.

O endividamento pessoal vem crescendo no Brasil a cada ano que passa e a principal razão para isso é não sabermos usar o nosso dinheiro de forma correta. Muitas vezes, fazemos várias compras a prazo, e no final do mês é que vamos ver que o valor total dessas compras não poderá ser pago naquele mês. Essa dívida, além de rolar para o mês seguinte, será acrescida de juros, o que poderá aumentar e muito o valor.

Isso nos mostra que em matéria de crédito, ainda temos muito a aprender. Basicamente, o que importa para o consumidor é “o que cabe no bolso”, mas precisamos aprender o que é contrair uma dívida e os impactos que podem ser gerados no futuro. 

As pessoas precisam administrar seu orçamento doméstico como se estivessem gerindo a contabilidade de uma empresa: se as despesas forem maiores que a receita, a empresa vai à falência. 

Na prática, com o orçamento familiar acontece a mesma coisa: se as pessoas gastam mais do que ganham, as dívidas serão inevitáveis.

Mas, quais são as causas que levam as pessoas a gastarem além do que poderiam? Há dois motivos para isso:

  1. Falta de educação financeira;
  2. Inexistência de metas e objetivos próprios na vida.

Inclusive, não é só com as dívidas que devemos nos preocupar se não lidamos bem com nossas finanças…

Esse tipo de comportamento adia a formação de uma poupança ou reserva de emergência, que são fundamentais para as realizações pessoais e investimentos futuros. 

Então, o segredo para não precisar se preocupar em como administrar as dívidas é aprender a ter uma boa relação com seu dinheiro!

Tipos de pessoas endividadas

A justificativa mais comum para o endividamento é o salário insuficiente… Mas, a realidade é que não se pode gastar mais do que se ganha. 

Inclusive, muitas vezes, as dificuldades financeiras são provocadas pelo simples prazer de comprar, independente da utilidade ou o significado da compra.

Entretanto, pensando em como evitar o endividamento, nem todas as pessoas são iguais…

A maioria das pessoas que entram para o rol dos endividados encontra-se em uma das quatro categorias abaixo: 

  • Ocasionais: são as pessoas que ficam na situação devedora por causa de algum acontecimento imprevisto como acidentes, doença na família, desemprego e etc.;
  • Descuidados: são aqueles que não têm controle sobre o orçamento doméstico, compram por impulso e depois têm dificuldade de fechar as contas no final do mês;
  • Crônicos: são as pessoas que passam a vida devendo, por acharem (erradamente) que rolar as dívidas tem alguma vantagem ou por má-fé mesmo;
  • Calculista: aqui se enquadram as pessoas que, controladamente, entram no vermelho por um determinado período para alcançar uma meta ou objetivo planejado. 

Sendo assim, antes de qualquer coisa, você precisa identificar que tipo de pessoa você é quando se trata de dinheiro. 

Por exemplo, um endividado crônico, provavelmente não dá importância a regularizar suas dívidas e ter seu nome limpo…

Já o calculista é muito mais preocupado com isso, tomando as medidas necessárias para sair dessa situação o mais rápido possível.

Quais são os motivos que levam as pessoas a criarem dívidas?

Lembra que falamos no início que prevenir é melhor do que remediar? Pois bem, isso é essencial se você deseja saber como evitar as dívidas

Sendo assim, a melhor coisa que você pode fazer por si mesmo e por suas finanças é conhecer quais são os vilões do seu orçamento.

Nesse sentido, há algumas que podem fazer com que você se endivide, como:

  • Falta de planejamento e controle financeiro;
  • Falta de conhecimento financeiro (uso indevido do crédito);
  • Vícios e tendências comportamentais;
  • Mudança no padrão de renda familiar;
  • Despesas inesperadas no orçamento mensal;
  • Consumismo desmedido.

Então, comece eliminando esses hábitos de sua vida que com certeza sua situação financeira irá melhorar!

E, para lhe ajudar nessa missão, a seguir daremos algumas dicas para evitar o endividamento! Aproveite!

Dicas de ouro de como evitar o endividamento

Não sabe o que fazer para acabar com as dívidas? Que tal começar não as criando?!

Confira a seguir algumas recomendações importantíssimas para evitar o endividamento:

Consumismo

Vivemos em uma sociedade altamente consumista, com pressões por todos os lados para consumir cada vez mais, sendo praticamente inevitável não se endividar. 

Assim, são vários os motivos que levam ao consumo: necessidade, modismo, diversão, status, apelo de mercado, impulso ou puro prazer de comprar. 

Por isso, para saber como evitar o endividamento consumista, a dica é comprar motivado apenas pela necessidade, ou seja, resista às outras motivações. 

Se você tem dificuldade para resistir, adote precauções como: evitar os shoppings, deixar o cartão de crédito/débito em casa, esconder o talão de cheques e sair de casa apenas com o dinheiro necessário para as despesas do dia. 

Marketing 

O marketing tem o poder de transformar em nosso consciente o conceito de que coisas supérfluas são essenciais para a felicidade e para a vida. 

Inclusive, saiba que os profissionais que atuam na área do marketing estudam as vulnerabilidades humanas e trabalham para criar a necessidade de consumo.

Tudo funciona através de estratégias que façam as pessoas consumirem cada vez mais, na tentativa de levar o consumidor a adquirir aquilo que não precisa.

Sendo assim, a recomendação é resistir aos apelos do marketing, isto é, compre apenas aquilo que você necessita e não o que a propaganda tenta lhe convencer que é melhor para sua vida.

E, a melhor forma para combater os desejos impulsivos que o marketing nos influencia é a educação financeira.

Conta bancária

Se você precisa se controlar com o dinheiro, mantenha conta em apenas um banco, pois assim é mais fácil e você economiza nas taxas bancárias. 

Além disso, isso evitará que você tenha vários cartões de crédito e diferentes limites de cheque especial disponível para gastar. 

Esses dois produtos têm altíssimas taxas de juros e comprometerão a sua renda disponível, ou seja, seus problemas financeiros viram uma bola de neve.

Renda extra

Não existe uma fórmula mágica para melhorar de vida que não seja o trabalho árduo e honesto, concorda?

Isso é ainda mais importante quando você está com as finanças apertadas, ou seja, quase chegando ao ponto de acumular dívidas.

Por isso, uma das dicas para evitar o endividamento é procurar um trabalho extra nas horas vagas, aproveitando seu tempo disponível ao máximo. 

Pense que trabalhar não é motivo de vergonha, mas ficar devendo sim!

Despesas supérfluas

Um dos melhores truques de como evitar o endividamento é aprender a dizer não, evitando assim de adquirir produtos ou serviços que não são essenciais. 

Além do mais, pense em cancelar temporariamente algumas despesas supérfluas como assinatura de jornais, revistas, TV / Internet, telefone (adote o pré-pago), enfim.

Dessa forma, você controla seu orçamento, economiza um bom dinheiro e ainda evita de ficar pagando juros elevados decorrentes do pagamento de despesas supérfluas. 

Compras à vista

Um dos maiores problemas dos brasileiros é como evitar dívidas no cartão de crédito, justamente por não darem preferencia ao pagamento à vista. 

Então, para ter uma vida financeira saudável, não compre só porque o crédito está disponível. 

A regra de ouro é esperar um pouco, economizar o valor das prestações que você estaria pagando pelo produto/serviço e depositar essa quantia na poupança até conseguir o valor total.

Assim, você evita de comprar parcelado e comprometer vários meses do seu orçamento familiar, além de que ao pagar à vista conseguem-se ótimos descontos. 

Mas lembre-se que essa decisão deve ser baseada na necessidade e não na vontade, independentemente da forma de pagamento.

Você não deve sair comprando tudo o que tem vontade apenas porque o crédito está disponível, senão acabará com dificuldades financeiras. 

Conclusão

Portanto, chegamos ao fim do nosso guia de como evitar o endividamento e esperamos que este tenha sido útil para você repensar seus hábitos financeiros!

Não basta somente economizar ou evitar comprar o que deseja, pois é preciso também saber como equilibrar as contas!

Então, controle seu desejo de consumo, mas tenha um maior controle e planejamento sobre seu dinheiro!

Para conquistar a vida que tanto deseja, é essencial saber o quanto ganha e o quanto pode gastar!