A inflação tem ficado cada vez mais evidente no mercado brasileiro, afinal, os preços estão nas alturas, encarecendo o custo de vida das famílias. Mas, fora o seu dinheiro estar rendendo menos nas despesas do dia-a-dia, você já parou para pensar sobre qual é a influência da inflação para quem investe no Tesouro Direto?

Bom, a inflação está influenciando diretamente os constantes reajustes da Taxa Selic (taxa básica de juros no Brasil). Isso porque para tentar diminuir a inflação, o governo aumenta a Selic.

Nesse jogo de balança, com a Selic em alta, solicitar crédito fica mais caro (empréstimos, fatura do cartão de crédito, cheque especial, financiamento e etc.) e os investimentos em renda fixa se beneficiam de uma maior rentabilidade.

Como o Tesouro Direto é uma aplicação da renda fixa, então, sim, há uma relação direta e de forte impacto em seu bolso.

Por isso, para não restarem mais dúvidas sobre o assunto, preparamos este conteúdo especial para explicar a você como a inflação interfere no lucro de quem investe em títulos públicos, como o Tesouro Direto. Vamos conferir?!

A inflação realmente influencia no rendimento do Tesouro Direto?

Bom, já sabemos que esse índice tão importante na economia brasileira é um dos principais fatores que alteram a rentabilidade da renda fixa, certo? Não é atoa que é crescente o número de investidores que se baseiam na inflação para escolher onde aplicar seu dinheiro.

Um bom exemplo é quem investe no Tesouro IPCA+, uma modalidade de Tesouro Direto que paga uma taxa fixa somada ao índice de inflação.

Causas da alta na inflação

Diversos são os motivos que a inflação dentro de um país pode oscilar e para você entender melhor sobre o assunto, apresentaremos a seguir as principais causas:

1 – Excesso de circulação de dinheiro

Se há quem diga que ter pouco dinheiro é um problema, saiba que ter muito dinheiro circulando também não é nada bom

Isso porque a economia funciona baseada na lei da oferta e demanda, ou seja, se há muito dinheiro circulando no mercado, o poder de compra é maior e indiretamente diminui a disponibilidade de produtos.

Assim, se há muito dinheiro para pouca produção, os itens acabam consequentemente se valorizando mais do que o esperado, isto é, a inflação aumenta.

2 – Grande procura por produtos em escassez

A elevação da procura de um ou mais produtos que estão em escassez também pode afetar o equilíbrio oferta/demanda.

O motivo é simples: a alta demanda por itens sempre está atrelada à falta do produto, o que faz com que o valor suba, ou seja, a inflação aumenta.

3 – Cotação do dólar

Não é segredo para ninguém que o dólar é a moeda mais utilizada nas negociações ao redor do mundo e por isso, sua cotação influencia também na inflação no mercado brasileiro.

De modo geral, o preço das commodities (matérias-primas e insumos básicos) no mercado interno é negociado em dólar e se o dólar está caro, automaticamente, a inflação se eleva.

4 – Aumento dos juros

Como já mencionado anteriormente, quando a inflação está alta demais, a política do Banco Central é elevar a Selic.

Porém, até realmente conseguirmos a redução na inflação no país, a contratação de crédito é afetada, pois com a Selic em alta, fica mais caro para os brasileiros, empreendedores e empresários pagarem por crédito.

Basicamente, se um produtor rural solicita uma linha de microcrédito ou um financiamento para o seu negócio, terá que pagar maiores juros.

Isso impacta o mercado também, pois indiretamente, o produtor precisa encarecer o produto para compensar os juros cobrados pela instituição financeira.

Dessa forma, se o produtor está tendo que pagar mais para produzir, automaticamente, a diferença nos preços é repassada ao consumidor, ou seja, inflação em alta novamente.

Entendendo o impacto da inflação no Tesouro Direto

Agora que você já entendeu que basicamente tudo ao nosso redor é influenciado pelo valor da inflação no país, chegou o momento de se questionar sobre qual o impacto disso na sua carteira, principalmente se você investe no Tesouro Direto

Bom, o Tesouro Direto é um investimento de renda fixa que gera caixa para o Estado, tira dinheiro de circulação e oferece uma alternativa de aplicação interessante.

Quando a Selic sobe, os títulos de renda fixa se tornam mais atrativos ao investidor brasileiro, uma vez que a rentabilidade é maior.

Então, de modo geral, podemos dizer que este é um bom momento para investir seu dinheiro em títulos do Tesouro!