Investir em debêntures tem se tornado cada vez mais “popular” entre os brasileiros, uma vez que as outras opções de renda fixa não andam muito interessantes nos últimos anos. Inclusive, podemos dizer que esse é um investimento em renda fixa melhorado, sendo comparado à compra e venda de ações. 

Para quem não faz a mínima ideia sobre o que é debêntures e como funciona, podemos dizer que se trata de uma aplicação em que títulos de dívidas são emitidos por empresas do mercado, como forma de captar recursos para financiar suas atividades.

Assim, os investidores que emprestam dinheiro para tais empresas (compram os títulos emitidos) acabam recebendo o valor acrescido de juros após o prazo de aplicação, que costuma ficar entre 3 e 5 anos. Além do mais, assim como na compra de ações, o investimento em debêntures torna o investidor um credor e dessa forma, ele tem direitos e benefícios na empresa, semelhante a um acionista. 

A grande notícia é que as emissões desses títulos estão em alta, ou seja, há uma infinidade de oportunidades para quem quer diversificar sua carteira sem correr tantos riscos, afinal debêntures é renda fixa, sendo muito mais seguro que apostar na bolsa de valores em ações, por exemplo.

Algumas medidas colaboraram para gerar um maior interesse nesse tipo de investimento, tais como:

  • Taxa de juros básica em queda (debêntures vale a pena, pois está rendendo mais que a poupança e outros fundos mais conservadores, como os títulos do Tesouro Direito);
  • Incentivos por parte do BNDES para aumentar a procura por títulos de infraestrutura;
  • Incentivos do governo federal, especialmente oferecendo melhores benefícios fiscais para quem investe em debêntures. 

Então, saber como investir em debêntures está cada vez mais promissor e é por isso que o tema de hoje explicará a você tudo sobre o assunto, desde os tipos de títulos de dívidas encontrados no mercado até os valores de aplicação Vamos conferir?!

Índice de conteúdo:

Quem pode investir em debêntures?
Existe uma aplicação mínima?
Quais são os tipos de debêntures ofertados no mercado?
Conclusão

Quem pode investir em debêntures?

Investir em debêntures é bom, entretanto, não é para qualquer pessoa! Primeiramente, podemos dizer que se trata de um investimento que pode ser feito por pessoas físicas e sendo assim, uma pessoa jurídica (uma empresa) não pode comprar de um desses títulos.

Em segundo lugar, podemos dizer que é preciso ter certo perfil para esse tipo de aplicação. Normalmente, o mais indicado é para os investidores moderados e arrojados, uma vez que esses têm mais tolerância aos riscos envolvidos. Não é uma boa opção para os investidores mais conservadores, considerando que esses preferem ter menos rentabilidade, mas com mais segurança sobre o capital investido. 

Em terceiro lugar, é preciso ter em mente que há a necessidade de investimento mínimo, que varia de empresa para empresa. 

Em alguns casos, o valor mínimo de aplicação pode ser de R$1 mil ou R$2 mil, por exemplo, enquanto outras empresas exigem investimentos que passam de R$100 e R$200 mil. 

Assim, é possível dizer que qualquer investidor pessoa física pode aplicar seu dinheiro em debêntures, mas não em qualquer debênture. 

Também é necessário conferir as condições do contrato desse tipo de emissão e investimento.

Isso porque em alguns casos a compra desses títulos dá preferência para acionistas em caso de liquidação da empresa, por exemplo. 

Assim, o investidor comum pode sair prejudicado ou mesmo ter a sua participação vetada.

No entanto, não se preocupe atoa, pois esses casos são raros de acontecer e, em geral, a compra da debênture é bem acessível a todos.

Existe uma aplicação mínima?

Agora que você já sabe o que é investimento em debêntures e quem pode comprar esses títulos, é importante pensar sobre o capital de aplicação…

Bom, via regra geral, a aplicação mínima da debênture varia de acordo com o que é definido pela instituição emissora.

Como já mencionamos anteriormente, algumas debêntures exigem aplicação mínima de R$1.000,00, enquanto que outras já exigem uma quantia maior de dinheiro. 

No geral, produtos de boa qualidade (com retorno acima da média e baixo risco envolvido), irão exigir uma aplicação mínima maior por parte do investidor. 

Por isso, para começar a investir em debêntures, é fundamental você conversar com um assessor de investimentos de confiança.

Esse tipo de pessoa está por dentro dos mais diversos tipos de investimentos, sabendo exatamente quais são os melhores títulos do mercado.

Quais são os tipos de debêntures ofertados no mercado?

Investir em debêntures vale a pena e um dos motivos para isso é quanto à diversidade de tipos de títulos que podem ser emitidos.

Assim, as debêntures aparecem em diferentes espécies, justamente para atender aos objetivos específicos e necessidades da empresa.

É importante avaliar que tipo de debêntures você investirá seu dinheiro, pois alguns são mais vantajosos do que outros.

Além disso, se você não tomar cuidado poderá se ver em meio a uma dor de cabeça causada pelo investimento. 

Então, conheça os tipos que temos disponíveis no mercado a seguir!

  • Debêntures simples

Também chamados de debêntures conversíveis, são os títulos caracterizados por fornecerem à empresa uma captação simples de recursos como prevista em contrato. 

Geralmente, o resgate acontece em moeda local e traz menos complicações e burocracias para o investidor. 

  • Debêntures conversíveis em ações (DCA)

Basicamente, estamos falando dos títulos que podem ser resgatados/convertidos em forma de ações da própria empresa emissora. 

Porém, essa conversão não é obrigatória e cabe ao investidor decidir, na hora do resgate, se quer ou não se tornar acionista da empresa. 

Normalmente, os acionistas têm preferência na emissão das DCA, mas todas as condições são previamente estabelecidas no contrato de emissão.

  • Debêntures Permutáveis 

São os títulos que podem ser convertidos em ações de outras empresas que não a emissora do título. 

Assim, enquanto as conversíveis exigem a troca por ações da empresa que emitiu o título, as permutáveis permitem a troca por ações de terceiras. 

É uma opção muito interessante para os investidores de renda variável que já possuem experiência no mercado de compra e venda de ações. 

Em casos mais raros, as ações permutáveis podem ser trocadas por outros bens, como títulos de crédito. 

Mas, no geral, essas debêntures servem muito bem para investidores que tenham um plano contínuo e em longo prazo de investimento. 

  • Debêntures incentivadas

São os títulos que não possuem tributação de IR e que se tornam ainda mais atrativos, devido à elevada rentabilidade, livre do pagamento de impostos. 

Investir em debêntures desse tipo recebe esse nome porque a isenção de impostos tem justamente o objetivo de estimular a captação de recursos para empresas que sejam consideradas importantes para o desenvolvimento da economia.

Geralmente, o incentivo é feito para debêntures de longo prazo. E, se por um lado a liquidez é prejudicada, por outro há uma economia de 15% referente à alíquota que incide nos recebimentos desse período.

Conclusão

Portanto, agora você já tem uma melhor noção sobre o que é debêntures e como funciona, não é mesmo?

Por ser um tipo de investimento de médio e longo prazo, você só deve investir em debêntures aquele dinheiro que destinou para ser utilizado no médio ou longo prazo. 

Contudo, tenha em mente que o risco que você corre ao emprestar dinheiro para uma empresa é maior do que o risco de emprestar dinheiro para um banco (dentro do limite garantido pelo FGC) ou emprestar dinheiro para o governo ao adquirir títulos públicos garantidos pelo Tesouro Nacional, por exemplo. 

Nos últimos anos foi possível observar grandes empresas brasileiras enfrentando problemas financeiros como consequência de decisões políticas e econômicas desastrosas dos nossos governantes. 

Por isso, antes de emprestar seu dinheiro para grandes empresas é importante que você avalie, de forma consciente, onde você está colocando suas economias. 

Destine para investimentos de maior risco aquele dinheiro que você aceita correr maiores riscos. 

Além disso, avalie se a debênture está oferecendo um “prêmio” pelo risco maior. Esse prêmio são juros maiores. 

Quando a Taxa Selic está baixa, as debêntures ficam mais atrativas diante dos títulos emitidos pelo governo e bancos, que é o caso atualmente.

Outro bom motivo para investir em debêntures é a isenção do imposto de renda sobre os rendimentos das debêntures incentivadas, que é um diferencial interessante.

O problema é que muitas dessas empresas que operam no setor de infraestrutura (e que podem emitir debêntures incentivadas) estão enfrentando problemas devido ao seu envolvimento com escândalos de toda natureza e com a degradação do setor onde estão atuando.

Mas, de modo geral, é seguro investir em debêntures, principalmente quando você está disposto a investir de forma consciente, avaliando as debêntures disponíveis, observando a situação do emissor e comparando a oportunidade oferecida com outras aplicações disponíveis no mercado!