Cada vez mais aumenta o desejo do brasileiro em começar a investir, visto que, aos poucos, estamos mudando a cultura de poupar e fazer investimentos. Entretanto, muita gente ainda inicia essa jornada totalmente perdido, sem nem saber qual é o primeiro passo a dar, não é mesmo? Pois, se você faz parte desse time, saiba que a primeira e mais importante coisa a se fazer é dar adeus às dívidas. 

Isso porque de nada adiantará entender como começar a investir do zero, se você tem contas em atraso, afinal, enquanto não se livrar desses débitos que estão pesando em seu bolso, suas finanças estarão comprometidas, ou seja, o dinheiro (que poderia estar sendo aplicado em investimentos bem rentáveis) estará sendo perdido em juros de contas atrasadas, por exemplo. 

Não acredita? Bom, você sabia que hoje em dia já é possível fazer bons investimentos, rendendo 120% do CDI, a partir de R$20,00? Isso mesmo! E, convenhamos, você paga muito mais de juros no atraso da sua fatura do cartão de crédito que isso, certo?

Então, se quer mudar sua vida financeira para melhor, antes de começar a investir precisamos garantir que você tenha se livrado das dívidas que corroem o seu patrimônio. Seu rico dinheiro não pode evaporar. Se isso acontecer, qual motivação irá te fazer investir? Por isso, se você tem débitos pendentes, este guia irá lhe ajudar a lhe mostrar quais são os três passos básicos para dar um fim nas dívidas e assim ter mais dinheiro disponível para fazer seus investimentos!

Acabe com as dívidas antes de começar a investir

Se a sua dúvida é quando começar a investir, saiba que o momento ideal é quando não restaremos mais débitos pendentes em seu nome. Entretanto, dependendo do caso, pode demorar anos para por as finanças em dia, não é mesmo? Nesses casos, a dica é aplicar seu dinheiro quando tiver apenas com dívidas com juros menores que 1% ao mês.

Se as suas contas em atraso possuem taxas de juros mais altas que isso, nem pense em fazer investimentos. 

Isso porque não adianta você começar a investir do zero com juros de 1% mensal (rentabilidade difícil de conseguir, mas não impossível) se sua dívida cresce a 14% ao mês, correto?!

Um bom exemplo disso são as contas com cartão de crédito e cheque especial, que tem elevadas taxas de juros e costumam prejudicar nosso orçamento.

O segredo então está na possibilidade de adquirir a mentalidade investidora, para sair da ignorância do mundo dos investimentos

Afinal, com R$1,00 você já pode investir, porém com os mesmos R$1,00 ninguém paga nenhuma dívida, concorda?

Mas, antes de fazer isso, negociar é a principal palavra que deve ter em mente quando resolver quitar suas dívidas.

De modo geral, as pessoas podem estar dispostas até a receber menos, afinal é melhor receber menos do que não receber nada.

Então, tente renegociar e conseguir baixar ao máximo o valor da dívida, assim como conseguir melhores condições de pagamento. 

Tenho mais de uma dívida, qual começo a pagar primeiro?

Se você tem mais de uma dívida em aberto, é preciso prestar muita atenção neste tópico!

Via regra geral, a dica é eliminar primeiro a conta com a maior taxa de juros, depois a mais cara e por último a de menor valor e juros.

O motivo disso são os juros compostos, que se você ainda não conhece seu poder, está na hora de descobrir o estrago que ele pode fazer com seu dinheiro. 

A notícia boa é que, quando você começar a investir, esse tipo de juros será um dos seus maiores aliados.

Albert Einstein já dizia: “Os juros compostos são a força mais poderosa do universo e a maior invenção da humanidade, porque permite uma confiável e sistemática acumulação de riqueza”.

Então, resumidamente, não é interessante pagar a dívida menor para se livrar logo dela ou quitar a de maior valor porque ela te incomoda mais…

No médio e longo prazo, no mês a mês, a dívida que mais vai crescer, obviamente, será a que tem maior correção no tempo. 

Por essa razão, comece pagando o débito com maior taxa de juros, pois assim você vai estar freando o principal motor da sua dívida.

Como faço para negociar minha dívida?

Como acabar com as dívidas e sair do vermelho? Bom, não existe nenhum segredo para isso, mas uma boa negociação pode fazer toda a diferença.

A dica aqui é muito simples e prática! Não servirá de nada você negociar a dívida se não tiver um horizonte para quitação dela.

O credor tem que visualizar que vai ser possível quitá-la, pois do contrário não adianta só “chorar”.

Então, organizar o orçamento fará com que você saiba para onde está indo o seu patrimônio e será o começo de uma vida financeira estável

É importante anotar todos os gastos, principalmente os invisíveis (gastos menores quase imperceptíveis no dia-a-dia), pois cada despesa faz diferença no orçamento mensal. 

Sabendo para onde está indo seu dinheiro, será muito mais fácil enxugar e controlar os gastos

Dessa forma, em menos de um mês você perceberá a diferença positiva que essa atitude trará em suas finanças.

Até mesmo porque, com o orçamento em dia será muito mais fácil separar uma parcela todo mês para quitar a dívida, concorda?

O ideal é separar uma quantia que você saiba que vai conseguir honrar todo mês. Com esta quantia em mente compareça junto ao credor e explique que o valor é um valor acessível a você e que em tantos meses ou até mesmo antes você vai quitar toda a dívida. 

Mostre também que você tem interesse em ver o fim da dívida. Afinal, como já mencionamos, é melhor receber menos do que não receber nada.

Portanto, esses são os três passos a dar antes de começar a investir, sendo fundamental acabar com as principais dívidas primeiro. 

É pouco provável que você consiga um investimento seguro e que seja tão rentável a ponto de cobrir as taxas de juros da sua dívida.

Então, saber o que fazer para acabar com as dívidas é o segredo para investir e prosperar financeiramente, especialmente em longo prazo!