Quem faz investimentos em renda fixa, uma vez a cada seis meses (ou no momento do resgate, caso seja feito em data anterior), precisa pagar um imposto sobre o rendimento de seu dinheiro, conhecido como come-cotas, mas você sabe o que isso significa?

Muitos investidores brasileiros não fazem a mínima ideia de o que é e como funciona o sistema “come-cotas”, mas saiba que se trata de uma antecipação obrigatória do Imposto de Renda, baseado no lucro do seu investimento.

Por isso, como o fim do segundo semestre de 2021 se aproxima, é preciso mais do que nunca estar atento e entender sobre o assunto.

Pensando em lhe ajudar, nós do Site Portal Finança preparamos este conteúdo exclusivo, para tirar suas dúvidas sobre o tal do “come-cotas”. Vamos conferir?!

O que é o come-cotas?

Resumidamente, o famoso come-cotas nada mais é do que uma antecipação do pagamento do imposto de renda de um investidor de fundos e renda fixa, como os fundos multimercados e fundo DI.

Na prática, o sistema da Receita Federal toma uma parte das cotas que representam a rentabilidade do fundo investido durante o semestre, reduzindo assim o número total de cotas detidas por você investidor.

Como funciona o sistema come-cotas?

Nas datas pré-estipuladas pela Receita Federal, esses fundos são taxados com a menor alíquota da tabela regressiva de Imposto de Renda à qual estão expostos.

Contudo, vale destacar que tudo depende da classificação do investimento, ou seja, se este é de curto ou longo prazo.

Investimentos de curto prazo

  • Tributação de 22,5% sob fundos que fiquem aplicados por no máximo 180 dias
  • Tributação de 20,0% sob fundos que permaneçam aplicados por mais de 181 dias

Investimentos de longo prazo

  • Tributação de 22,5% sob fundos que fiquem aplicados por até 180 dias
  • Tributação de 20,0% sob fundos que fiquem aplicados entre 181 e 360 dias
  • Tributação de 17,5% sob fundos que fiquem aplicados entre 361 a 720 dias
  • Tributação de 15,0% sob fundos que fiquem aplicados por mais de 721 dias

Caso aconteçam saques no investimento antes do prazo mínimo para a cobrança, o cotista terá que pagar a diferença de imposto (normalmente entre 15% e 20%), em relação ao total devido.

Quando acontece o come-cotas?

Esse processo acontece duas vezes a cada ano, uma vez por semestre. Assim, o investidor é tributado sobre o lucro dos últimos seis meses.

Lembrando que a cobrança do imposto é automática e geralmente acontece nos meses de maio e novembro.

Quem paga?

Como já mencionado neste conteúdo, o come-cotas incide sobre fundos de renda fixa (como os do tipo DI), fundos multimercados, crédito privado, cambiais e ouro.

Mas, a boa notícia é que investidores de renda variável, como ações e planos de previdência privada ficam livres da cobrança do come-cotas.

Além disso, existem também fundos de investimento para pessoas físicas que também não são tributados pelo come-cotas, como as debêntures incentivadas e os Fundos de Investimento Imobiliário (FII’s).

Conclusão

O come-cotas pode fazer uma grande diferença no bolso do investidor, visto que compromete boa parte de seu rendimento.

Por isso, a nossa dica é sempre antes de investir pensar sobre todas as possibilidades, para saber qual a aplicação que vale mais a pena para você e seu perfil!