Se você é iniciante no mundo dos investimentos, provavelmente, a recém está se familiarizando em investir em ações, certo?! Isso porque estamos falando de um tipo de aplicação que requer mais conhecimento. 

Para quem ainda não sabem o que é investir em ações, funciona da seguinte forma: quando uma empresa deseja expandir seus negócios ou modernizá-los ou necessita de recursos adicionais, emite ações. 

Essas ações então acabam sendo vendidas diretamente aos investidores, que por sua vez, é uma oferta de ações feita no mercado primário. 

Quando os investidores negociam ações na bolsa de valores, por exemplo, diz-se que estão recorrendo ao mercado secundário.

Assim, para aplicar em ações, isto é, para negociar ações, precisamos de uma corretora de valores ou de uma distribuidora de valores e por isso é tão importante pesquisar sobre qual a melhor corretora para investir em ações.

As corretoras fazem a intermediação entre os compradores e vendedores de ações na Bolsa, que podem ser de dois tipos diferentes:

  • Ações ON (ações ordinárias nominativas): dão direito a voto nas assembleias de acionistas da empresa;
  • Ações PN (ações preferenciais nominativas): dão preferência a seu proprietário no recebimento de dividendos e não há direito a voto.

Além disso, as corretoras podem operar no pregão eletrônico da Bolsa, efetuar lançamentos públicos de ações, administrar carteiras ou custodiar valores mobiliários, organizar e administrar clubes e fundos de investimento, dentre outras atividades e mercados.

Então, resumidamente, quem compra uma ação se torna sócio da empresa, seja ela da uma loja que compramos, do banco que temos conta, do fabricante que produtos que usamos, enfim.

Portanto, agora que você já entendeu como esse tipo de aplicação funciona e que investir em ações vale a pena, vamos aprender como fazer isso na prática?!

Como investir em ações

Basicamente, existem três maneiras de participar do mercado de ações:

  • Clubes de Investimento: 

É uma maneira de investir coletivamente, reunindo pessoas de seu convívio, exatamente como se fosse um clube. Assim, você pode investir junto com parentes, amigos e colegas de trabalho. 

A criação de um clube exige seu cadastro em uma corretora, que administrará a documentação e os registros do investimento, assim como lhe orientará na criação documento de criação do clube (estatuto social) e fará a gestão da carteira de ativos do clube. 

O Clube de Investimento precisa ter ao menos três pessoas e, no máximo, 150. Um único cotista representará todos os outros investidores, que, juntamente com a corretora irá decidir sobre a gestão do clube. 

Além disso, qualquer clube precisa ter ao menos 51% do capital investido em ações. O restante do dinheiro pode ser aplicado em renda fixa, por exemplo.

  • Fundos de investimento: 

Tratam-se de produtos financeiros, também investidos no coletivo. Ao aplicar em um fundo de investimento, você compra cotas (parcelas desse fundo) e se torna um cotista. 

Todos os fundos são fiscalizados e regulamentados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Eles podem ser compostos por papéis de renda variável (ações) ou renda fixa (debêntures, notas promissórias, CDB’s e etc.). 

Para saber em qual fundo aplicar seu dinheiro, você deve analisar o regulamento, a política de investimento, quem é o gestor e o administrador, seus resultados e as taxas administrativas envolvidas. 

Clubes e fundos de investimento podem são uma ótima opção de investimento para quem não dispõe de tempo para acompanhar o mercado de ações. 

Entretanto, cuidado com as despesas envolvidas na aplicação, sendo a principal delas a taxa administrativa (um custo que se tem com a corretora).

Além dessa taxa, despesas legais, taxas de performance e de gestão de carteira podem ser cobradas. 

É muito importante ficar atento aos valores e taxas praticadas, pois esses podem diferir entre os administradores e gestores.

  • Investimentos individuais:

Você também pode fazer seus investimentos individualmente. Para isso, basta adquirir as ações diretamente. 

Mas, a dica é utilizar as corretoras de valores como intermediárias nas negociações. 

Investir em ações para iniciantes: Passo a passo

Agora que você já sabe o que é investir em ações e como funciona esse processo, então está pronto para começar!

A primeira coisa a se fazer é definir quanto investir em ações, isto é, quanto de nossa carteira de investimento será direcionado ao mercado acionário.

Após isso, decida como fará para investir, ou seja, se participará de um Clube de Investimento, se aplicará num fundo de investimento ou se participará do mercado de forma individual.

Confira a seguir algumas dicas para investir em ações em cada uma dessas opções:

Clube de Investimento: 

Se você optar pela criação de um Clube de Investimento, deverá primeiramente procurar uma corretora de valores, visto que será ela quem irá lhe ajudar e orientar em todo o processo.

Basicamente, a corretora irá cuidar da documentação necessária para criar o clube, assim como formará a composição da carteira de ações. 

Mas, lembre-se que é necessário ao menos três pessoas para formar um clube (três cotistas), que em conjunto irão definir o estatuto que regerá as atividades do clube.

Após registrar o clube vocês já podem iniciar suas aplicações através da corretora de valores escolhida para a administração, juntamente com o cotista representante.

Fundo de investimento:

Se decidir investir em ações através de um fundo, procure escolher o melhor, ou seja, busque conhecer o que puder sobre os administradores do fundo e sua política de investimentos, já que será o gestor que definirá a carteira de ativos do fundo escolhido.

Investimento individual:

Se optar por investir individualmente, mesmo assim busque uma corretora de valores credenciada pela BM&FBOVESPA (principal bolsa de valores atualmente aqui no Brasil).

Após a sua escolha, faça seu cadastro e converse com sua corretora, que indicará os melhores investimentos. Quando tiver sua decisão de onde investir basta enviar sua solicitação de compra ou venda por telefone ou internet (o famoso Home Broker). 

Mas, não se esqueça de que a melhor maneira de ter tranquilidade em relação aos seus investimentos é diversificar a carteira.

Isso significa escolher aplicações financeiras de características diferentes, tais como os ativos compostos por renda fixa, renda variável e imóveis, por exemplo.

Prontinho! Agora você já como investir em ações do zero! E o mais importante, conhecendo melhor como funciona esse tipo de investimento, que requer mais conhecimento do investidor.

E, para melhorar ainda mais os seus resultados na hora de investir em ações, confira aqui cinco top investimentos em ações para 2021!