De acordo com uma pesquisa realizada pela S&P Ratings Services Global Financial Literacy Survey, o Brasil ocupa a 74° posição no ranking global de educação financeira em um total de 144 países.

E, ao contrário do que muitos pensam, o estudo mostrou que não é uma questão de dinheiro ou condição social aqui no Brasil, pois apenas 31% dos brasileiros de maior renda possuem uma boa educação financeira, enquanto que para as pessoas de menor renda o índice é bem próximo, cerca de 23%.

Mas, calma, embora a população brasileira tenha um péssimo conhecimento financeiro, estamos próximos à média mundial, que é de 35%.

Além disso, a pesquisa também mostrou que os consumidores brasileiros que têm acesso à conta bancária e cartão de crédito, tendem a ser mais bem educados financeiramente, em comparação ao público não bancarizado.

Mas, e você? De qual time faz parte? É do grupo que tem as finanças em dia e sobra dinheiro ou faz parte do time dos que vivem no vermelho ou até mesmo endividados?

Pois saiba que independentemente do grupo, é muito importante ter conhecimento financeiro, para aproveitar melhor seu dinheiro e pagar menos taxas!

Por isso, continue conosco que vamos te mostrar o passo a passo básico para começar a ser uma pessoa mais educada financeiramente, ou seja, aprender a ter controle do seu dinheiro! Vamos lá?!

Passo 1 – Educação financeira é sinônimo de ganhar dinheiro

Não importa se você é pobre ou rico, a lição para ter uma vida financeira estável é sempre ganhar dinheiro, afinal, esse é o recurso que move o mundo, não é mesmo?

Por isso, a dica é sempre buscar formas para ganhar mais, pois isso ajudará a melhorar o equilíbrio das suas finanças no seu orçamento.

2 – Gaste menos do que ganha

De nada adianta ganhar 10 mil por mês se você gasta na mesma proporção. Por isso, o segundo passo da educação financeira é sempre ganhar mais e gastar menos.

Se você adotar esta regrinha básica em sua rotina, pode ter certeza de que as chances de realizar seus sonhos serão muito maiores.

Inclusive, ganhar um fôlego nas receitas (ganhos) ao invés de se afundar em despesas (gastos) é a base que fará os próximos passos funcionarem.

3 – Combata o consumismo

Consumir faz parte da vida moderna de qualquer um, não é mesmo? Todos precisamos comer, ter onde morar, o que vestir, se deslocar, passear, enfim, adquirir produtos e serviços.

Porém, o consumismo é uma compulsão desnecessária e desenfreada e quando não temos controle e conhecimento, nos tornamos escravos do nosso dinheiro, ou seja, entramos em modo automático de trabalhar para pagar boletos

Por isso, não confunda o que realmente precisa com o que deseja. Só gaste seu dinheiro quando for necessário, caso contrário, pense duas vezes se vale a pena.

4 – Faça um planejamento financeiro

O quarto passo rumo a uma boa educação financeira é ter um planejamento de seu dinheiro, isto é, tenha conhecimento de tudo o que entra e sai da sua conta todos os meses.

Mas, calma, pois embora o termo “planejamento financeiro” assuste, saiba que é a coisa mais simples que existe e com certeza a mais útil para manter o orçamento no azul.

Não acredita? Bom, pense em qual é o seu salário mensal… Por exemplo, se você recebe R$1.500,00 durante o mês, o valor das suas despesas mensais não pode passar disso.

CALCULADORA DE GASTOS MENSAIS

Só que para ter essa ideia clara e em números é só botando na ponta do lápis, ou seja, listar seus rendimentos e o quanto de dinheiro você gasta para pagar suas despesas fixas e variáveis durante o mês.

5 – Defina suas prioridades

Despesas básicas, como a parcela do financiamento ou o aluguel, alimentação, água e luz não podem ser cortadas do orçamento familiar e por isso são prioridades.

Contudo, despesas supérfluas, como gastos com transporte particular, delivery, fast-food, roupas e etc. podem ser facilmente cortados do seu planejamento.

Por isso, saiba que um dos pilares básicos da educação financeira é definir metas de curto, médio e longo prazo, pois somente assim terá motivação para economizar e usar bem o seu dinheiro.

6 – Só faça empréstimo se for para melhorar a sua vida

Os brasileiros utilizam o empréstimo pessoal e consignado como uma forma de ter dinheiro rápido para “tapar furos” no orçamento.

Contudo, saiba que esse é um péssimo hábito e que demonstra o quão “pobres” somos em nível de conhecimento financeiro.

O ideal é pegar dinheiro emprestado só se realmente for para mudar a sua vida financeira, ou seja, para quitar dívidas (trocar uma dívida cara por uma mais barata) ou para aumentar os seus rendimentos, como no caso de um investimento ou abrir o negócio próprio.

7 – Economize agora e sempre

Pessoas com uma boa educação financeira sabem o quão importante é viver em um padrão abaixo de seus ganhos e por isso, têm o hábito de economizar dinheiro, o famoso “tio patinhas”.

Por isso, pense: Você quer fazer parte do time de pessoas que gasta tudo o que ganha e vive endividado ou do time das que tem dinheiro guardado para realizarem seus projetos?

8 – Comece a investir seu dinheiro o quanto antes

Investir é colocar seu dinheiro em produtos ou serviços que irão aumentar os seus ganhos, ou seja, é muito mais do que você investir seu dinheiro na poupança

Por exemplo, quando você se matricula em curso profissionalizante você está investindo em seu futuro, pois consequentemente terá melhores oportunidades no mercado de trabalho, irá aumentar seu salário, enfim.

O mesmo exemplo se aplica a situações como a compra de novos equipamentos para aumentar a produção do seu negócio.

E claro, faça seu dinheiro trabalhar por você! Após quitar suas dívidas e criar uma reserva de emergência, comece a aplicar o que sobra, seja em um investimento de renda fixa ou variável.

Conclusão

Então, pronto para começar a botar esses passos em prática? Saiba que o quanto antes você começar, mais rápido dará adeus às contas atrasadas, score baixo e as altas taxas de juros cobradas!