Finalmente a Taxa Referencial saiu do zero, visto que estava inativa desde 2017. Entretanto, com as constantes altas da taxa Selic, a regra precisou mudar e com certeza irá impactar o seu bolso este ano, principalmente se é investidor ou solicita crédito no mercado.

Basicamente, a Taxa Referencial (TR) foi criada em 1990 para combater a inflação na economia brasileira e seu uso mais comum é na Conta Poupança, sendo um dos índices levados em conta na hora de estipular a rentabilidade deste investimento de renda fixa.

Então, se você investe ou pretende começar a investir na poupança e títulos de capitalização, tem interesse em contratar um financiamento imobiliário ou tem saldo do FGTS, continue conosco que vamos te mostrar como a volta da TR pode mudar suas finanças em 2022!

O que é a Taxa Referencial?

Se você é um dos brasileiros adeptos a colocar dinheiro na poupança, então com certeza já ouviu falar sobre essa tal de Taxa Referencial (TR), não é mesmo?

Bom, estamos falando de um índice de referência utilizado pelo governo federal para controlar a inflação e influenciar as taxas de juros em investimentos e solicitações de crédito.

Inclusive, quando foi criada, a TR tinha a mesma função que a Selic tem hoje em nossas vidas, visto que era conhecida como a taxa da superinflação e guiava todas as outras taxas do mercado brasileiro.

Contudo, no ano de 1999 a Taxa Referencial foi substituída pela Selic, que atualmente é a taxa básica de juros da economia brasileira.

Onde a Taxa Referencial ainda é utilizada?

Como a Taxa Referencial serve para corrigir o dinheiro, isto é, equilibrar o poder de compra no mercado, ela atualmente ainda é muito utilizada no rendimento da poupança.

Além disso, a TR tem uso para corrigir o saldo das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e também em algumas modalidades de financiamento de imóveis.

Como é calculada a Taxa Referencial?

Quem define o valor da TR é o próprio Banco Central do Brasil e o cálculo é feito com base nos juros dos títulos públicos.

É justamente por essa razão que a Taxa Referencial dos investimentos tem relação indireta com a Selic.

Com a Selic abaixo de 8,5% ao ano, a TR estava zerada desde 2017. Contudo, como a Selic subiu para 9,25% ao ano, a TR saiu do zero.

No início de janeiro deste ano, segundo o Comunicado n° 38.149 de 5/1/2022 feito pelo Banco Central, a TR voltou a subir e será reajustada diariamente.

Hoje a Taxa Referencial está em 0,8360%, mas amanhã pode ser que esse valor mude, visto que o BC reajusta todos os dias.

Como a volta da Taxa Referencial irá afetar seu dinheiro?

Como mostramos acima, essa taxa de juros tem impacto direto no bolso dos consumidores e investidores brasileiros, querendo ou não.

Por isso, é importante saber como ela irá afetar o seu dinheiro agora que não está mais zerada. Confira!

Impacto da TR na Poupança

Uma vez que a taxa Selic está acima de 8,5% ao ano, a regra de rendimento da poupança mudou, ou seja, seu dinheiro rende 0,5% mais a Taxa Referencial.

Vamos à um exemplo prático: Se você colocou R$200,00 na sua conta poupança no dia 10 de dezembro de 2021, seu rendimento na data de aniversário (no dia 10 de janeiro de 2022) seria de 0,5436%.

Mas, é importante lembrar que como a TR varia todos os dias, o seu rendimento por mês também irá variar.

Impacto da TR no FGTS

Quem tem dinheiro retido do FGTS também sofrerá influência da TR, mas pode ficar tranquilo que é para melhor.

Com a Taxa Referencial subindo, a tendência é aumentar o seu saldo do FGTS. Lembrando que o rendimento do FGTS na conta é de 3% ao ano mais a TR mensal.

Impacto da TR no financiamento de imóveis

Os brasileiros que já têm ou desejam contratar um financiamento imobiliário também terão que estar atentos à Taxa Referencial, uma vez que alguns tipos de financiamento de imóveis têm juros atrelados a essa taxa.

Um bom exemplo de financiamento que é influenciado pela TR é o SFH (Sistema Financeiro de Habitação) da Caixa Econômica Federal.

Nesse caso em específico, as parcelas do financiamento da sua casa própria, por exemplo, são corrigidas por taxas de juros fixas mais a TR.

Então, na prática, assim como acontece com a alta da Selic, quem tem empréstimos (financiamento é um empréstimo) pagará mais com a Taxa Referencial ativa.

Conclusão

Então, conseguir entender um pouco mais sobre o que é e como funciona a Taxa Referencial em seu dia-a-dia? Esperamos que após esta leitura você tenha conseguido compreender a importância dessa taxa de juros, que agora não está mais zerada!